SEM FRUTOS, NADA FEITO!

Amados e Amadas de Deus!

Saúde e Paz!

Este é o terceiro Domingo que a imagem da vinha aparece em nossas celebrações. A vinha é um símbolo muito presente na Bíblia para representar a dedicação que se deve ter para com o projeto divino, que é o Reino de Deus. As comparações, muito próximas do povo bíblico, se devem pela necessidade de zelo e de perseverança se o vinhateiro quiser colher uvas de boa qualidade, na sua vinha. Hoje, o simbolismo da vinha está especificado na 1ª leitura e no salmo responsorial: a vinha do Senhor é o povo de Israel, ou como dizemos em nossos dias, a vinha do Senhor é o Povo de Deus. A vinha representa o Povo de Deus e, ao mesmo tempo, de acordo com o Evangelho, esta mesma vinha é confiada ao Povo de Deus. Por isso, a vinha não apenas representa o Povo de Deus, mas também é confiada ao Povo de Deus para que a cultive e a faça produzir frutos. Ou seja, o povo mesmo é a vinha que deve cultivar o projeto divino para produzir frutos no meio do mundo.

O final da parábola de Jesus fornece uma outra compreensão da vinha. Uma vez que o Povo de Israel não correspondeu ao compromisso assumido com Deus, como ouvimos na 1ª leitura, Jesus anuncia que a vinha será entregue a outros vinhateiros que produzam frutos de acordo com o projeto divino. Jesus está dizendo que a vinha — quer dizer, o projeto de Deus — será entregue a um outro povo, a um povo novo, capaz de se comprometer com Deus, para que o seu projeto tenha sucesso no meio do mundo. Este Povo Novo é a Igreja. Por isso, do ponto de vista teológico, dizemos que a Igreja é Povo de Deus, é o novo Povo de Deus, com o mesmo compromisso do povo da Antiga Aliança: cultivar o projeto divino, simbolizado na vinha, para que produza frutos em todas as partes do mundo. Vou frisar uma vez mais: a Igreja é o novo Povo de Deus que recebeu o compromisso de cultivar a vinha do Reino de Deus. É um povo fundado sobre uma nova pedra fundamental, Jesus Cristo, e que se fundamenta no Evangelho, para que o projeto divino aconteça no mundo. Nós, que somos a Igreja, formamos o Povo de Deus e recebemos de Deus o compromisso do cuidado, do cultivo e da produção da vinha do Senhor. Cada um de nós, portanto, é um vinhateiro na vinha do Senhor.

Hoje, neste primeiro Domingo de Outubro, estamos abrindo o Mês Missionário. Abrimos este mês com uma proposta muito sugestiva, que é esta de assumir a missão de cultivar a vinha do Reino para que produza frutos, não só para a Igreja, mas para todos os povos da terra. A vinha está plantada em todos os terrenos do mundo, para que o projeto divino de justiça, fraternidade, paz, solidariedade… seja cultivado em todos os cantos da terra. A vinha foi plantada por Deus, anunciada por Jesus Cristo — que na parábola do Evangelho é o Filho do Rei, assassinado pelos vinhateiros infiéis — e, agora, em nosso tempo, é cultivada pela Igreja. Os cristãos de todos os tempos, portanto, receberam a missão de cultivar a vinha do Reino para produzir frutos. De um modo mais particularizado, podemos dizer que cada um de nós recebeu esta missão, digamos assim, de ser vinhateiros, cultivadores dos valores do Reino no meio do mundo. Cada um de nós, portanto, pode-se perguntar o que está fazendo para cultivar a vinha e como está trabalhando na vinha. 

Quando consideramos a missão da Igreja, entendemos que a Igreja não é uma coisa abstrata, sem forma, que existe só como presença moral, como muitos pretendem defini-la. A Igreja somos nós: eu, você e todos os batizados, somos um povo que se chama Igreja e não, apenas, fazemos parte da Igreja, como se fossemos sócios de um clube. Ora, se entendemos isso, compreendemos também que devemos colocar a mão na massa para cultivar a vinha do Reino. Cada um de nós tem um compromisso pessoal com o cultivo da vinha de Deus. Cada um de nós. Isto precisa ficar bem claro, porque é assim que a Igreja se torna concreta e concretamente cultiva e agiliza os valores do Evangelho, na sociedade. Chamo atenção para uma dimensão bem prática, presente na 2ª leitura, principalmente no segundo parágrafo. Ali diz que tudo que é verdadeiro, nobre, justo, puro, amável, honroso, virtuoso… tudo isso é digno do Reino de Deus. Cultivar tais valores entre nós — a verdade, a transparência, a honestidade, a honra, a bondade… — é um modo de cultivar os valores do Reino entre nós. Que Deus nos ajude a sermos fiéis a esta missão, para não decepcioná-lo, como aconteceu com os vinhateiros infiéis, da 1ª leitura e do Evangelho. E cada um se pergunte: como estou trabalhando na vinha? O que eu faço nesta vinha?

Padre Sérgio José de Sousa, OSJ

Pároco-reitor

Leave a Reply

Your email address will not be published.