JUÍZO FINAL: MEDIDOS PELA CARIDADE

A Bíblia, da primeira à última página, está pintada com as cores da misericórdia divina. As vezes, a misericórdia aparece em toda sua pureza e clareza, noutras vezes, se contrasta com a agressividade humana, que não usa de misericórdia pela dificuldade de se tornar fraterno ou pela prática da injustiça para com os mais fracos. Deus é Bom Pastor porque é misericordioso e um pastor tão bondoso só poderá ser proclamado e celebrado como Rei da Misericórdia. Nada mais lógico, portanto, que o julgamento final, quando toda a humanidade estiver diante ao trono da misericórdia divina, seja iluminado e conduzido na misericórdia e pela misericórdia. Não no sentido que Deus fará vista grossa para os pecados, porque é misericordioso, mas no sentido que a misericórdia divina atrairá para si a quem viveu e foi misericordioso em sua existência. No sentido que misericórdia atrai misericórdia e a não misericórdia afasta-se de Deus. Uma vida que deixou de cultivar a misericórdia, na terra, não se aproxima de Deus porque Deus é misericordioso.

O julgamento final não se fundamentará em leis do que é permitido ou proibido, no sentido que a violação de uma lei acarreta uma sentença de condenação. O princípio do julgamento final é proposto com base no modo de viver; se foi ou não iluminado pela misericórdia. Ninguém precisará decorar leis, preocupar-se em agir dentro da lei ou normas religiosas. A única coisa necessária para ser acolhido na festa eterna é a vivência da misericórdia. Este é o passaporte ou, se quisermos, a carteira de identidade com a qual somos convidados a nos apresentar a Deus, quando estivermos diante dele, no Juízo Final. Gosto de comparar aquele momento, do Juízo Final, como uma força de atração; se vivemos na misericórdia, seremos atraídos pela misericórdia divina, no juízo final, mas se nossa vida não for pautada na misericórdia, seremos repelidos e atraídos para a condenação. A misericórdia perdoa um milhão de pecados, diz a Bíblia, por isso, se formos misericordiosos, seu perdão misericordioso nos perdoará e nos acolherá na festa da vida eterna.

Precisamos deixar bem claro é que a misericórdia não é um conceito abstrato, uma bela poesia para falar do amor fraterno. O Evangelho que ouvimos descreve a misericórdia como algo concreto, que se realiza no relacionamento com as pessoas. A fonte da misericórdia é Deus, mas o modo para que a misericórdia se torne concreta é a nossa vida, a vida daquele homem e daquela mulher que passam a ser considerados como irmão e irmã. Todos os homens e mulheres são dignos da nossa misericórdia, ricos e pobres, grandes e pequenos, crianças e idosos. Conhecemos muitos ricos que são necessitados da nossa misericórdia pela pobreza espiritual, na qual vivem. Mas, Deus valoriza sobremaneira a misericórdia que vai em socorro dos mais necessitados na terra através da “obras de misericórdia corporais”, que compreende o socorro aos famintos, aos que não tem com que se vestir, aos sedentos, aos doentes, os prisioneiros de tantas prisões, aos imigrantes… As obras de misericórdia são algo bem concreto, que nos apela a responder de modo concreto.

Estamos com um fato que deve ser pensado e, mais que isso, avaliado com nosso modo de viver. O juízo final não é um simples dado da nossa fé, mas é uma realidade anunciada por Jesus, em quem cremos e acolhemos como nosso Mestre. A realidade do juízo final foi relatada por São Paulo, dizendo que a morte deverá ser destruída, para que a vida divina reine em cada ser humano. Este é o grande gesto da misericórdia divina para conosco, ou seja, a entrega e a possibilidade de participar de sua eternidade. A única coisa que Deus pede, e que Jesus nos orienta a fazer, é viver na misericórdia e pela misericórdia, porque a misericórdia é, em si mesma, uma semente de vida eterna que florescerá no dia que Jesus dirá a quem foi misericordioso: “todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes”. Viver a misericórdia é entrar no caminho da eternidade feliz.

Padre Sérgio José de Sousa, OSJ
Pároco-Reitor

Leave a Reply

Your email address will not be published.