Santuário Santa Edwiges

Estrada das Lágrimas, 910 - Sacamã - São Paulo, SP

(11) 2274 2853

Artigos › 26/04/2019

Aprender com o ressuscitado

Épocas de questionamentos, de crise e de tensões representam oportunidade privilegiada para resgatar o que verdadeiramente importa. Isso vale de modo particular para a comunidade eclesial, após as celebrações do Tríduo Pascal, quando se celebrava a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

Após a Solenidade da Páscoa, durante cinquenta dias, a Igreja se empenha por acolher a Boa Nova que sempre provoca admiração e questionamentos: a vida venceu a morte; o amor é mais forte que a morte. É oportunidade para resgatar o vigor que movia as primeiras testemunhas do Ressuscitado a compartilhar com quem se deparavam a experiência do encontro com o Senhor.

O encontro com o Senhor transformou a vida não só de alguns homens simples no início do primeiro milênio da Era Cristã, mas de uma miríade de mulheres e homens que ao longo da história até os dias atuais, se constituíram em propagadores dos dons messiânicos de sua Páscoa: a alegria, o perdão no Espírito, a força de testemunhar sua presença atuante, sua paz.

A experiência de se sentir amado por Jesus Cristo transformou radicalmente o modo de ser, a visão e o registro de homens e mulheres ao longo dos séculos.

O amor cristão é capaz de produzir uma transformação tal no ser humano, que todas as coisas, acontecimentos e pessoas são vistos numa luz de profundidade, capaz de mudar o sentido e o destino da própria existência humana.

A experiência do amor cristão implica amar ao modo de Deus, isto é, sem reservas e sem medidas preestabelecidas. Ele “faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz chover sobre os justos e injustos” (Mt 5,48); manda amar os inimigos e orar pelos que nos perseguem (Mt 5,44). Trata-se de um fazer e, portanto, de um fazer a ser aprendido: “aprendei de mim” (Mt 15, 29), diz Jesus.

Aprender é próprio do discípulo. O discípulo de Jesus está decidido a se deixar trabalhar pela força divina – que é amor! – e a colaborar com ela, ou seja, a cumprir em tudo a vontade do Pai, como fez Jesus Cristo. Tal disposição requer discernimento e conversão. Tal atitude é característica do homem sábio que escuta a Palavra e a põe em prática, e não diz apenas, Senhor (cf. Mt 7,21).

Por Dom Jaime Spengler – Arcebispo de Porto Alegre, via CNBB

X