Liturgia diária
Evangelho: 6ª-feira da 15ª Semana do Tempo Comum
Santo: São Lourenço de Brindisi

Para refletir: “Quem ama não conhece nada que seja difícil!” Santo Antonio
Jornal
Galeria de Fotos

São José Marello

José Marello nasceu no dia 26 de dezembro de 1844, na cidade de Turim, Itália. Seus pais chamavam-se Vicente Marello (um comerciante de queijos em Turim) e Ana Maria Viale. De família religiosa, o Marello foi batizado no mesmo dia em que nasceu. Cresceu até os 4 anos em Turim, quando improvisamente sua mãe morre. Seu pai, desgostoso, vende o comércio e transfere-se para San Martino Alfieri, uma cidadezinha entre as montanhas, onde o Marello passa a ser educado pelos seus avós. Neste ambiente viveu toda a sua adolescência, trabalhando na terra e educando-se religiosamente. Ali freqüentou os primeiros anos de estudo, tornando-se aluno exemplar e admirado. Tanto é verdade que, quando cursava a 4ª série, foi designado pelo seu pároco como catequista dos menores, além do mais era coroinha que suscitou inclusive a admiração da Marquesa de Sostegno pelo seu modo exemplar de servir o altar.

Terminando o 2º grau escolar recebe de seu pai um presente em reconhecimento pela sua boa conduta: um passeio para Savona, onde passou alguns dias visitando a cidade. Quis a Providência que seu pai o levasse para visitar o Santuário de Nossa Senhora da Misericórdia (8 km distante de Savona). Lá surgiu sua vocação para o sacerdócio enquanto rezava aos pés da Virgem. Voltando para a casa encabulado com a idéia de ir para o seminário, ainda em viagem contou para o seu pai, seu desejo. Seu pai reagiu fortemente, embora sendo religioso desejasse para seu filho a carreira do comércio, vendo nele as qualidades que possuía. Por isso, tentou tirar-lhe esta idéia da sua cabeça, oferecendo-lhe a possibilidade de ir estudar em Turim, a fim de construir uma carreira brilhante. Marello permaneceu irredutível na idéia e enfim o pai cedeu com pesar.

No dia 31 de outubro de 1856 entrava no seminário de Asti, quando ainda tinha apenas 12 anos. No seminário procurou empenhar-se muito nos estudos e no cultivo das boas amizades. Em 1859, a Itália entra em guerra com a Áustria e os seminaristas foram obrigados a voltar para suas casas ou se hospedarem em casas de famílias da cidade. Neste ínterim, o Marello estava com 15 anos e, devido às circunstâncias, passava morar em Turim. Fora do seminário, sem mais o amparo dos superiores, do horário, da vida metódica, e dentro de um ambiente hostil e anticlerical, o Marello passara ser modelado pela realidade. Neste ambiente ele sonha com idéias revolucionárias, para criar um mundo melhor, mas não se encontrava bem, tanto é verdade que um seu professor lhe dirá para pensar bem, porque sua vocação não era para viver naquele ambiente.

Prosseguia sua vida de estudo e de sonhos, até adoecer gravemente de tifóide, a ponto de chegar ao perigo de vida, nesta experiência, presente que Nossa Senhora lhe pedia para voltar ao seminário e continuar a carreira sacerdotal, e chega a conclusão que se fizer isto se restabeleceria. Comunicou imediatamente seu desejo ao pai, o qual vendo ali em sinal admite que o filho volte para o seminário. Por isso, em fevereiro de 1864, quando já estava com 20 anos, voltava para o seminário sendo recebido com alegria pelos sacerdotes.

De volta ao seminário, o Marello propõe esmerar-se ao máximo para fazer uma forte preparação tanto intelectual quanto espiritual para o sacerdócio. Dizia ele que o sacerdote deve ser e viver segundo o espírito de Jesus Cristo, deve ser puro, perfeito e possuidor de grande doutrina. Estas palavras orientaram toda a sua vida de preparação ao sacerdócio. Tornou-se um grande e profundo estudioso, conh ecia com facilidade os grandes expoentes da literatura; lia os grandes místicos; tinha o prazer pelo conhecimento. Era muito estimado pelos superiores e colegas, tornou-se assistentes dos clérigos, procurava ajudar todos inclusive economicamente. (Quando seu pai ia visitá-lo esvaziava-lhe os bolsos, para poder ajudar aqueles mais necessitados). Cultivou muitas e boas amizades, escrevia muito aos colegas durante as férias, procurava sempre estar em contato com os amigos.

Fonte: Oblatos

QR Code Business Card