Liturgia diária
Evangelho: Confira as leituras da Liturgia da Palavra e a reflexão do dia
Santo: Conheça a história de fé do Santo celebrado pela Igreja

Para refletir: “Deus nos achou dignos de confiar-nos o Evangelho, e falamos não para agradar os homens, mas sim a Deus, que perscruta nosso coração!” São Paulo
Jornal
Galeria de Fotos
  • A photo on Flickr
  • A photo on Flickr
  • A photo on Flickr
  • A photo on Flickr
  • A photo on Flickr
  • A photo on Flickr
Artigos › 08/01/2018

A exposição dos filhos na internet

Definitivamente, a internet e as redes sociais se transformaram numa realidade habitual para nós. Costumeiro, também, se tornou o fenômeno da superexposição da intimidade no ambiente digital, onde tudo é motivo para uma selfie, um post ou um compartilhamento na rede. Tal comportamento, no entanto, começa a extrapolar os limites do bom senso, sobretudo entre as mamães e os papais conectados que adoram publicar, quase que de hora em hora, uma foto da intimidade dos filhos e da família nas redes sociais.

Recentemente, uma pesquisa no Reino Unido revelou que a superexposição dos filhos na internet, atualmente, já começa nas primeiras horas de vida. Neste país, cerca de 57% dos recém-nascidos tiveram fotos publicadas uma hora após o seu nascimento.

Os pequeninos, no entanto, são indefesos diante da lente de seus genitores, da mesma forma que, tornam-se reféns da necessidade de exposição dos pais, que transformaram os filhos numa espécie de extensão de si mesmos na internet.

Cabe a nós analisarmos dois pontos desse fenômeno da superexposição dos filhos na internet. O primeiro é: o que esse comportamento revela do mundo interior dos pais? E um segundo ponto: quais as consequências e os perigos para a formação da personalidade da criança?

Superexposição e personalidade dos pais
Não é difícil perceber que uma pessoa que tem o costume de se expor excessivamente no mundo digital, quando se torna pai ou mãe, transforma o filho no objeto da exposição. Trata-se de pais narcisistas*, que se preocupam exageradamente com a própria imagem e a estende para a imagem do filho.

O narcisista gosta de ser visto, aprecia o prestígio e a fama, quer ‘feedback’ sobre tudo o que posta na internet. Quando falamos de pais com essa personalidade, não precisamos ir longe para constatar que qualquer comentário na foto dos filhos do tipo “fofinho”, “tá lindo”, “ai, que belezinha!”, serve, na verdade, como uma massagem no ego narcísico dos pais. Entenda bem que não estamos falando de uma foto ou outra, e sim, do excesso de exposição dos “babys”, isso, no fundo, denuncia uma desordem psíquica dos pais.

Consequências para a personalidade dos filhos
Françoise Dolto, pediatra e psicanalista francesa, disse que “a criança pequena e o adolescente são porta-vozes de seus pais”. Assim, uma criança que cresce num ambiente em que tudo merece um clique pode desenvolver uma personalidade narcísica semelhante à dos pais. E isso por dois motivos: 1) porque a superexposição a coloca como o “centro das atenções” a todo momento. 2) porque a linguagem da criança, sobretudo as menores, se baseia muito mais no que os pais fazem do que no que falam.

Respeitar o momento e o espaço sagrado da criança
Existem momentos na vida que são únicos e merecem recordações, e também, são sagrados e merecem proteção. A hora do sono, da amamentação, do banho, do cocô etc.; são momentos íntimos da criança. Isso não significa que não possam ser eternizados numa foto, para compor o álbum da família, mas vamos entender que: “sagrado” diz respeito àquilo que o mundo não tem acesso. Ao postar uma foto atrás da outra, da intimidade dos filhos, os pais passam de protetores a invasores desse mundo sagrado. E quando falamos em proteção, podemos também dizer dos perigos que rondam o mundo virtual, sobretudo quando o assunto é criança.

É importante que os pais mais conectados façam essa reflexão sobre a superexposição dos filhos nas mídias sociais e se perguntem: “O que quero com essa postagem do meu filho?”. “Por que vou postar outra foto dele agora?”.

É importante que os pais tracem filtros e limites do que e quando postar algo das crianças na internet; afinal, estamos falando do patrimônio mais importante que temos: os nossos filhos.

*O termo “narcisista” foi introduzido no século XIX pela psiquiatria e, posteriormente, por Sigmund Freud na psicanálise, para designar o amor exagerado de uma pessoa por si mesma, em referência ao personagem da mitologia grega Narciso, um jovem de bela aparência que, ao ver sua imagem projetada na água, apaixonou-se por si mesmo.

Por Daniel Machado

Compartilhe e evangelize: