9º DIA – O CUIDADO COM A VIDA ESPIRITUAL

Meditação

 Muitas pessoas, inteiramente dominadas pelo desejo de fazer o bem aos outros, chegam a negligenciar os próprios interesses espirituais. Nosso Senhor disse que de nada valeria ao homem conquistar o mundo inteiro se não conseguisse salvar sua alma (Lucas 9,25)?

A caridade bem ordenada começa por si mesmo. Para converter outras pessoas é indispensável que nos tenhamos convertido a nós mesmos. Ninguém dá o que não possui. “De que adianta querermos tirar o cisco do olho de nosso irmão, se temos uma trave em nossos próprios olhos” (Mt 7, 3-4)?

Os antigos já diziam: “Médico, cura-te a ti mesmo”. Fazer o bem aos outros é indispensável, mas sem prejuízo de nossa própria santificação. Assim, o problema da melhoria do mundo é antes o problema da maioria de nós mesmos.

Exemplo

Quando assistia ao Divino Ofício, Edwiges não admitia nem de longe que alguém pudesse conversar na igreja. Via em tais manifestações um desrespeito para com a majestade divina. Entregava-se o mais que podia à meditação, e para isso procurava os lugares ermos do castelo ou sombrias alamedas dos pátios externos.

Mesmo doente, não queria faltar às orações comunitárias. Fazia questão de ouvir diariamente a Santa Missa. Mandava celebrá-la na capela distante do palácio, pois queria assistir à mesma em companhia dos filhos e parentes, formando um verdadeiro cortejo, e dando assim um belo exemplo aos que presenciavam tal espetáculo.

Entrava na igreja extasiada, pensando no sacrifício do Calvário que se ia repetir ali, embora de modo incruento. Quando começava a Consagração, prosternava-se, quase deitando-se nas lajes do templo. E não se limitava a rezar na Missa, fazia questão de rezar a Missa acompanhando o sacerdote na leitura do Missal.

Compartilhe e evangelize:

QR Code Business Card
Blowjob