5º DIA – SABER FALAR E SABER CALAR

Meditação

Diz o apóstolo São Tiago que o homem perfeito é aquele que não peca por palavras. Realmente quantas pessoas não matam sua alma somente porque não sabem controlar a língua?

Nosso Senhor dizia  que não é pecado o que entra pela boca, mas o que sai do coração. A reputação alheia nos deve ser tão cara quanto a nossa.  Não devemos divulgar o que os outros não tem o direito de saber. Quantas vezes o silêncio em torno de certos assuntos nos livraria a nós e aos outros de situações embaraçosas…

Maria Santíssima vivia no silêncio e, no entanto, se quisesse teria tanto que falar! O silêncio ensina tantas coisas!

A língua é uma arma de dois gumes: é perigosa e traiçoeira… Na maioria das vezes é melhor calar do que falar.

Não se nega,com isso,que não haja momento sem que podemos e devemos falar.Mas, o cuidado no falar deve ser sempre muito grande, porque facilmente cometemos excessos e exageros.

 

Exemplo

A vida em família de Santa Edwiges foi um exemplo de caridade e uma fonte de riqueza espiritual. A sua influência moral conseguia muitas vezes acalmar os ânimos rebeldes daqueles que a   cercavam. Por meio de sacrifícios, jejuns e orações continuadas, tudo fazia para construir no reino e entre os seus parentes a paz de Cristo.

No entanto, o espírito belicoso dos cortesão se as rixas antigas que dormitavam nos corações anulavam, vez por outra, a atuação benéfica de Edwiges. Ela se via então envolvida  na desordem, na confusão dos ódios que alteravam os seus planos de pacificação geral. Mas,ela não desanimava. Enfrentava os contra tempos comum a energia raríssima numa dama de sua época; e em todos os instantes procurava evitar danos maiores, funcionando como incansável mediadora e abençoada pacificadora.

Compartilhe e evangelize: